Depois de trilhar os caminhos sagrados da minha alma, de descobrir neles a força, mas também a mágoa, deixei o corpo remar para outro lugar. Vazia, a existência sentia a plena consciência de não precisar mais de ser quem era. Nesse momento soube onde estava, por onde andavam as minhas palavras e quais os sentidos que dera à minha vida. Hoje sei, que num lugar secreto existe uma porta, um acesso, que me permite chegar a qualquer lugar. Esse portal é como uma parede vazia, sem quadros pendurados, sem adornos nem cortinados. São tijolos que se dissolvem e por onde passo para outros lugares, outros universos. Hoje não sou profano, nem santo, não sou anjo nem vento, apenas aquele mistério feito de letras que se esvai por entre as frestas deste muro. Por isso sou Noite, sou escuro, mas também luz e brilho, um contraste entre o dia e a noite, um momento entre dois segundos do teu tempo.

Sem comentários:

Enviar um comentário